Greenpeace simula vazamento de óleo em frente à sede da BP em São Paulo

agosto 10, 2010  |  Small Talk

Ativistas do Greenpeace simularam um vazamento de óleo em frente à sede da BP, na capital paulista, em protesto contra o desastre ambiental provocado no Golfo do México pela explosão de uma plataforma de petróleo da empresa no dia 20 de abril. A simulação, que utilizou 4 barris cheios com uma substância preta (uma mistura de farinha com tinta não tóxica e lavável), nem de perto chegou ao tamanho do vazamento provocado no poço operado pela BP.

Segundo dados do governo dos Estados Unidos, o acidente liberou o equivalente a 5 milhões de barris de petróleo no Golfo do México, paralisando a pesca e o turismo no litoral de 4 estados americanos e causando danos ainda incalculáveis a ecossistemas costeiros e marinhos na região. O número oficial, ainda não auditado por fontes independentes, é suficiente para transformar o vazamento da BP no maior da história e serve para lembrar dos riscos que o mundo corre para continuar a saciar a sua sede por combustíveis fósseis.

www.greenpeace.org.br

“Como já consumimos praticamente todo o petróleo em áreas de acesso mais fácil”, aponta Ricardo Baitelo, coordenador da campanha de Energia do Greenpeace, “temos que ir cada vez mais longe e mais fundo para encontrá-lo”. As novas reservas brasileiras, por exemplo, que estão na camada do pré-sal, encontram-se a mais de 7 mil metros de profundidade. A plataforma acidentada da BP extraía petróleo no Golfo do México a quase 2 mil metros de profundidade.

“O acidente demonstrou que não há tecnologia capaz de evitar grandes vazamentos no mar”, diz Baitelo. Além da falta de segurança, o investimento na exploração de petróleo em águas profundas segue na contramão da necessidade de se buscar fontes de energia capazes de reverter a crise climática. O consumo desenfreado de combustíveis fósseis aumenta as emissões de gases do efeito-estufa, que contribuem para o aquecimento global.

“É mais do que hora de começarmos a investir em fontes renováveis, como eólica e solar, para a geração de energia”, insiste Baitelo. No caso do Brasil, existe um projeto de lei tramitando no Congresso para incentivar o investimento e a utilização de energias renováveis, limpas e seguras no país. Mas o governo não parece interessado nele. Prefere enxergar o desenvolvimento do país na exploração das reservas do pré-sal.

 

2 Comentários


  1. Isso ai, dalhe Greem Peace, esse vazamento la que esses felás causaram vai servir pra proibir o presal e desvalorizar e depois privatizar comprarem a preço de banana a PETROBRAS, dai depois que privatizar o presal será liberado.

    e nos palhaços pagando.

  2. Esse é o nosso Brasil. Mais uma vez na contra-mão da tecnologia e desenvolvimento.

Comente